> Amamos Travestis: Playboy. A mulher mais sexy do mês já foi um homem
Amamos Travestis

Amamos Travestis

sábado, 13 de janeiro de 2018

Playboy. A mulher mais sexy do mês já foi um homem




A Alemanha surpreendeu o mundo das publicações masculinas: a protagonista da edição de janeiro da Playboy é Giuliana Farfalla, uma modelo transexual, que nasceu homem. Mas este não é um caso único
“Numa altura de conservadorismo e repressão, existia uma vontade de explorar algo diferente. Esse é o segredo por detrás do sucesso da ‘Playboy’”. Esta foi uma das frases que o norte-americano Hugh Hefner, fundador da revista masculina, usou para definir a publicação, durante uma entrevista ao jornal britânico “Telegraph”. Para celebrar a diferença, a publicação decidiu começar a apostar em novos modelos, cada com a sua identidade.
A versão alemã da publicação anunciou esta semana que a capa da edição de janeiro é protagonizada por Guiliana Farfalla. É provável que nunca tenha ouvido falar nesta pessoa, mas é um dos nomes que tem circulado mais na internet nos últimos dias. Isto porque Giuliana é a primeira transexual a aparecer na capa da revista masculina alemã.
Pascal Radermacher (o nome de Farfalla quando ainda era um rapaz) nasceu em 1996, no ducado de Brisgóvia, na Alemanha. Durante a sua participação no programa ‘Germany’s Next Top Model’, apresentado pela modelo Heidi Klum, a aspirante a manequim revelou que se submeteu a operações para mudar de sexo quando tinha 16 anos: “Quando era criança, sentia que vivia no corpo errado”, explicou na altura, reforçando o facto de se ter candidatado a este programa televisivo para incentivar outros transgéneros e transexuais a assumirem a sua verdadeira identidade e a não terem medo de se expor.
“Esta é uma mulher especial”, disse Florian Boitin, editor principal da versão alemã da Playboy, citado pela imprensa local. Com esta edição, o objetivo da revista é seguir a “tradição do fundador da Playboy, Hugh Hefner, que foi um defensor da liberdade de cada indivíduo, assumindo-se contra qualquer forma de exclusão ou intolerância”, acrescentou o responsável.
Para anunciar a novidade, Farfalla publicou uma simples frase na sua conta no Instagram: “Meus queridos, apareço na última capa da Playboy e estou muito orgulhosa do resultado. Espero que gostem da capa tanto quanto eu”. A edição de janeiro vai hoje para as bancas.
‘Não sabia que havia tantos transfóbicos’ Esta não é a primeira vez que a Playboy arrisca: em novembro do ano passado, a modelo francesa Ines Rau tornou-se o primeiro membro da comunidade transgénero e transexual a ser a protagonista de uma edição norte-americana da revista.
Rau nasceu em 1990, em Paris. Tinha 24 anos quando posou pela primeira vez nua, ao lado do modelo norte-americano Tyson Beckford para a OOB, uma publicação francesa. No ano seguinte, em 2014, o seu nome também apareceu na Playboy – o artigo onde surgiu chamava-se ‘Evolução’ e tinha como objetivo chamar atenção para a existência de outras identidades de género. Rau tornou-se a segunda manequim trans a aparecer na revista masculina, depois de, em 1981, a britânica Carolina Cossey ter posado para a publicação.
A revista já encara a identidade de género de outra forma e faz questão de enaltecer aqueles que querem ser vozes ativas na comunidade. “Ines Rau está muito ligada à filosofia da nossa revista. Elegê-la playmate era a decisão correta. Vivemos momentos em que as questões relacionadas com identidade de género estão a desenvolver-se”, explicou ao “New York Times” Cooper Hefner, filho do fundador da Playboy e atual diretor executivo da publicação.
No entanto, esta decisão da Playboy parece não ter agradado a muitos leitores: “Ser escolhida para aparecer na Playboy foi o melhor elogio que me podiam ter feito (…) Mas recebi muitos comentários maldosos. Não fazia ideia que havia tantos ‘transfóbicos’. Sabia que tínhamos um longo caminho a percorrer até chegar à meta – altura em que as mulheres trans serão encaradas apenas como mulheres –, mas nunca imaginei que ainda estivéssemos tão mal”, disse a manequim francesa na altura.
Itália no primeiro lugar A edição alemã deu agora um passo importante na forma como assuntos relacionados com o género são abordados nas revistas masculinas, a publicação norte-americana teve um grande impacto por ser a ‘mãe’ de todas as outras e aquela que mais leitores atrai, mas a edição italiana foi a primeira a dar o passo e a incluir uma mulher transexual na capa.
A atriz Vittoria Schisano foi a protagonista da edição de fevereiro de 2016, aos 32 anos. Nascida em Nápoles, em 1983, o nome de batismo de Vittoria era Giuseppe em Pomigliano D’Arco. A sua carreira nas artes performativas começou ainda como Giuseppe, mas em 2011, numa entrevista ao “Corriere della Sera”, revelou que ia começar um processo de mudança de sexo, assumindo-se assim como transexual.
Transexuais ou Transgéneros? Estes são todos casos de mulheres que usaram a Playboy para passar uma mensagem: todos têm direito a assumir a sua verdadeira identidade. Mas algumas notícias que surgiram referiam-se a estas modelos como transexuais, enquanto outros artigos descreviam-nas como transgéneros. Qual é a diferença?
De acordo com informação disponibilizada no site da International Society of Sexual Medicine, o termo transexual refere-se a uma pessoa que se submete a tratamentos e cirurgias para alterar o seu corpo e passar do sexo masculino para o feminino ou vice-versa. Já o nome transgénero é dado a quem altera a sua aparência e a forma como se vê e interage com os outros, sem realizar qualquer tipo de operação.
A própria associação explica que os termos variam consoante quem os usa: “Algumas pessoas defendem que a palavra transexual não deve ser associada a transformações físicas. Alguns transsexuais já não se referem a eles próprios como tal depois de se submeterem a cirurgias, preferindo optar pelos termos ‘homem’ e ‘mulher’. Além disso, as palavras também vão ganhando um novo significado com o passar do tempo e com as mudanças culturais que vão sendo implementadas. O que é considerado um comportamento tipicamente masculino ou feminino numa cultura pode ser visto como algo anormal noutra. E o que representava uma expressão de género há um século pode já não o ser hoje em dia”.
Segundo informação divulgada na internet (mas não confirmada pelas próprias), as três modelos submeteram-se a operações para mudarem de sexo. Mas os termos aqui pouco interessa: transgéneros ou transexuais, elas sentem-se, acima de tudo, mulheres.

Fonte: https://sol.sapo.pt/artigo/595895/playboy-a-mulher-mais-sexy-do-m-s-ja-foi-um-homem

3 comentários:

  1. Hegel faz alguma matéria a respeito desses lixos de pastores que fazem lavagem cerebral e querem acabam com nossas traps?

    ResponderExcluir
  2. Ótima postagem e a propósito vc poderia comentar sobre a jogadora de vôlei trans que tá arrasando na super liga feminina

    ResponderExcluir
  3. Onde tem Travesti tem sucesso. Estão começando a entender isso. A gente consegue tudo que quer porque a gente já nasceu sabendo o que funciona e o que não funciona em um homem. A gente sabe agradar e com isso a gente tem tudo o que a gente quer. Todo homem sente tesão por uma Travesti. Se tem medo ou aversão da pica é porque gosta de levar, pois como pode alguém que nasce com um pau não suportar outro?
    Muito bom esse assunto Hegel. Bombou bastante esses dias.
    Um abraço!

    eutravesti.blogspot.com

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...